Bahia De Todos Os Santos: Da Chapada Diamantina Às Praias

Falar sobre a Bahia não é uma tarefa fácil, pois trata-se de um dos estados brasileiros em que mais vi beleza natural. E, quando falo em beleza, me refiro ao âmbito mais geral: praias paradisíacas, grutas centenárias, rios de águas azuladas e centros históricos riquíssimos de cultura.

Igreja Nosso Senhor do Bonfim, Salvador

Estive duas vezes no Estado, ambas com paradas rápidas em Salvador, a capital. Na primeira visita, me limitei à Morro de São Paulo. Já na segunda, aproveitei para conhecer a Chapada Diamantina.

Pratinha, Chapada Diamantina

Eu fiquei sete dias, totalizando ambas as vezes que estive na Bahia, e posso te garantir que o processo foi corrido, mas muito gratificante!

Além do mais, conforme mencionei no meu post sobre São Paulo, tive a oportunidade de conhecer diversos lugares do Brasil viajando com milhas aéreas, não pagando (em cerca de metade dos casos) nem mesmo a taxa de embarque.

Praia da Barra, Salvador

Nesse relato em terras nordestinas espero poder te dar uma ideia do que vi e vivi pelo caminho e da importância de dedicarmos um tempo para conhecer o nosso país (caso você seja um leitor brasileiro).

Você precisa saber agora:

Moeda: Real

Golpinhos/dia: R$ 70,00 (hospedagem, transporte público e alimentação). Vale ressaltar que cada lugar visitado teve uma média de custo diferente, mas considero aqui o gasto mediano em Salvador. Para os demais locais, explico melhor no decorrer do post, ok?

Se perder, vai ter que voltar: Visitar a Igreja e Convento de São Francisco, em Salvador

Sobraram Golpinhos? Passe ao menos uma semana na Chapada Diamantina e absorva a natureza exuberante da região

Itaparica, Bahia

Passagem aérea:

Para quem opta por voar com milhas, na LATAM Airlines você consegue um voo com cerca de 8-15 mil milhas/trecho. Saindo do Rio, aeroporto do Galeão.

Se esse não é o seu caso, segue a dica: voando desde o Rio de Janeiro, a média do custo por trecho é R$ 250-300,00. Uma boa plataforma de busca por voos (e o meu queridinho) é o Skyscanner.

Pratinha, Chapada Diamantina

Hospedagem:

• Salvador – Hostel Pelourinho, R$ 40,00 o quarto compartilhado. O albergue fica ao lado do Pelourinho e quase de frente ao Elevador Lacerda. O porto de onde saem os barcos rumo à Morro de São Paulo fica a 10 minutinhos de caminhada também. Para quem deseja turistar por Salvador, se hospedar aqui é uma boa ideia!

Outra opção é o Farol da Barra Suítes e Hostel, que fiquei na segunda vez que visitei a Bahia. Pelo custo de R$ 48,00 o quarto compartilhado para seis meninas, por noite e com café da manhã incluso, aqui definitivamente os quartos são muito mais novos e confortáveis comparados ao Hostel Pelourinho. A energia do lugar é ótima! Porém, o bairro da Barra é mais procurado por quem quer ficar de frente à praia, entende? Para o centro histórico faz-se necessária a utilização de transporte.

A terceira opção é o Hostel Villa Praiana, próximo à Praia de Itapuã e ao aeroporto. A casa é fantástica, toda novinha. Eu dei a sorte de pagar R$ 34,00 pelo quarto compartilhado e ainda fiquei sozinha nele. Indico bastante para aqueles que viajam em grupo.

• Lençóis – Flat Chapada Diamantina, R$ 60,00 a noite. Não fica localizado exatamente no centro da cidadezinha de Lençóis, mas o lugar é perfeito se você busca por comodidade e conforto. Isso porque o flat possui cozinha, banheiros e quartos novinhos, além de ficar em uma zona longe de qualquer barulho. Como me hospedei apenas por uma madrugada (utilizei dois dias da viagem em percurso de ônibus noturno para economizar a grana), e o passeio pela Chapada incluía pick up e drop off, o custo benefício daqui foi maravilhoso.

Morro de São Paulo

• Morro de São Paulo – Universo Pol Bamboo Hostel – R$ 120,00 o quarto misto e compartilhado por quatro pessoas. Esse albergue fica afastado do centro, localizado dentro de uma reserva ecológica. O preço da diária contempla o café da manhã vegetariano, que é uma delícia! Se você opta por um ambiente de paz, com possibilidade de fazer sua yoguinha matinal em meio à natureza, aqui é uma ótima oportunidade. O ponto negativo é realmente ser afastado das principais praias e do centro de Morro de São Paulo como um todo.

Salvador

Pelourinho, Salvador

Passei dois dias em Salvador e creio que foi o suficiente para conhecer o que julguei como importante.

Uma boa opção é começar o dia pelo centro histórico da cidade, que compõe os monumentos arquitetônicos mais antigos e bonitos da época do Brasil Colônia. São eles: o Pelourinho, o Terreiro de Jesus, o Largo do São Francisco, a Sé e Santo Antônio Além do Carmo.

Largo do São Francisco

O Pelourinho, que ficou ainda mais conhecido depois da filmagem do clip do Michael Jackson (sabe aquela música “They don’t even care about us”? Então…), compõe-se de ruelas estreitas, com calçamento em paralelepípedos.

Mas não se enganem: o nome é derivado da coluna de pedra onde os escravos eram amarrados e torturados…No passado, era um bairro eminentemente residencial, composto pelas melhores moradias até o início do século XX.

Cami e eu no Pelourinho

É gente, a Bahia tem discrepâncias à cada quadra que se conhece.

De 1950 para cá, o Pelourinho convive com problemas de criminalidade, por mais que a prefeitura esteja no processo de alavancar o desenvolvimento da atividade turística. É sim uma área para se ter atenção ao andar e ficar de olho com bolsas, câmeras fotográficas e etc. Mas confesso que nada aconteceu comigo.

A Igreja e o Convento de São Francisco, instaladas no largo que leva esse nome, são edificações erguidas entre os século XVII e XVIII e são consideradas uma das mais singulares e ricas expressões do Barroco brasileiro. Essa Igreja foi a mais linda que já vi em toda a minha vida… Chego até a me arrepiar só de lembrá-la por dentro!

Interior da Igreja de São Francisco

Interior da Igreja de São Francisco

Para adentrar no Convento e, atualmente museu, o horário de visitação vai das 9h às 17h30 (com exceção de terça-feira, que se encerra às 16h e de domingo, que vai das 10h às 15h). o valor é R$ 5,00 e há a possibilidade de ser realizada com guia.

Ainda na região você vai achar uma casa toda azul, a Fundação Casa de Jorge Amado. Mas, se não me engano, o escritor morava no bairro do Rio Vermelho.

Minutinhos de caminhada desde o Pelourinho, você chegará no famoso Elevador Lacerda, que custa (acreditem) R$ 0,15 para subir ou descer.

Na descida você já estará de frente ao Mercado Modelo de Salvador que não é tão majestoso quanto o Mercado Municipal de São Paulo, por exemplo, mas tem seu charme!

Pôr do sol no Elevador Lacerda

O pôr do sol daqui ou do Farol da Barra são os mais indicados de toda a Salvador. Eu conheci a Praia da Barra pela manhã (e tarde da noite…), então posso apenas garantir que o entardecer do Elevador Lacerda é lindo demais!

No segundo dia de turismo, a boa é reservar as atividades que ficam mais afastadas do centro histórico, como listarei abaixo.

Localizada no bairro Bonfim, cerca de 7km desde o Mercado Modelo, a Igreja Nosso Senhor do Bonfim é onde as mundialmente conhecidas fitinhas coloridas são distribuídas. Reza a lenda que aqui é o maior centro da fé católica, já que o Senhor do Bonfim é o padroeiro da Bahia.

Fitinhas do Bonfim

Recebendo centenas de visitantes diariamente, a Igreja foi construída entre os anos de 1746 a 1754, quando chegaram as imagens do Senhor Jesus do Bonfim e de Nossa Senhora da Guia, trazidas de Portugal.

Depois segui viagem em direção à casa de Iemanjá, localizada no bairro do Rio Vermelho.

Como um parênteses no post, os meus trajetos de locomoção foram basicamente à pé (no primeiro dia) ou de Uber (no segundo dia), pois consegui galera de hostel para dirimir os gastos.

Praia do Rio Vermelho

A casa de Iemanjá fica de frente para a praia, em uma região estritamente de pescadores locais. É singela, porém linda e de muita fé. Sem dúvidas vale à sua visita.

Casa de Iemanjá

Meu último ponto a ser conhecido foi a famosíssima Praia de Itapuã.

Podem rir, mas eu me dei de presente “passar uma tarde em Itapuã, ao sol que arde em Itapuã”, como cantava Vinícius de Moraes. Há aqui uma estátua dele, obviamente (rsrs). A praia em si não é uma das melhores, devido as águas serem um tanto turbulentas.

Praia de Itapuã

Salvador tem centenas de lugares históricos que valem a sua visita. Listei aqui apenas os pontos que me despertaram a curiosidade de conhecer. Se você possui mais tempo pela cidade e deseja explorar cada cantinho, se baseie nas dicas do Lonely Planet (os passeios são bem caros, não indico fechar diretamente pelo portal deles, já que é voltado mais para o público gringo).

Vera Cruz, a caminho de Itaparica

 Morro de São Paulo

… ou O Paraíso na terra!

Praia 3, Morro de São Paulo

Comemorei meu aniversário de vinte e seis anos na ilha de Boipeba, localizada no município de Cairu, litoral da Bahia. Já imaginou a minha felicidade, né?

Morro de São Paulo

De Salvador para Morro de São Paulo existem duas comuns formas de locomoção, sendo a última a que utilizei. Para quem gosta de praia, alerto que Itaparica é bem comum, só vale à visita caso se tenha tempo de sobra.

A caminho do paraíso

Opção 1: Pegue o ferry até Bom Despacho em Itaparica (custo R$ 5,30 durante a semana e R$ 7,10 sábado ou domingo). De Bom Despacho, pegue um ônibus até Valença ao custo de R$ 20,00 (peça para descer perto do terminal marítimo). De lá, seguir de lancha até Morro de São Paulo (R$ 10,00 em modal convencional).

Opção 2: Pegue o catamarã até Morro de São Paulo desde o Terminal Marítimo Mercado Modelo, ao custo de R$ 97,00. Eu utilizei a empresa BioTur, por conta do horário. Para ter acesso à grade completa, clique aqui.

Centro histórico de Cairú

Uma vez em Morro, prepare-se para dias de descanso e beleza. Eu me perdi muito até chegar ao albergue, que fica em uma zona de reserva ecológica. Mas ao me perder, achei praias paradisíacas, como essa aqui:

Ilha de Cairú

Uma boa ideia para o primeiro dia é fechar o passeio de volta a Ilha, que custa cerca de R$ 80,00 em baixa temporada. Não lembro a empresa que utilizei, mas no centro do vilarejo existem diversas empresas que operam esse roteiro (que é o principal).

Costeando a Ilha de Tinharé até às piscinas naturais da Praia de Garapuá, que ficam no meio do mar, longe da praia, chega-se somente de barco e com maré baixa, com águas transparentes e cristalinas com recifes de corais. A parada principal é a Praia da Cueira, em Boipeba, eleita a ilha mais bonita da América do Sul, atrás apenas da Ilha de Páscoa, no Chile, por internautas no Traveller’s Choice, do TripAdvisor.

Ilha de Boipeba

Os passeios ocorrem diariamente, com saídas às 09:30h e retornos às 17h, geralmente na Terceira Praia.

No segundo dia, fiz a caminhada até Gamboa, onde tomei o banho esfoliante de argila. Se a maré estiver baixa, você poderá fazer a caminhada do cais do Morro de São Paulo até lá. Eu tive que pegar um barco de pescador e paguei algo em torno de R$ 10,00.

As paulistas que conheci no barco e que já viraram amigas pra vida

Atividades como mergulho e tirolesa pelas praias também são frequentemente contratadas pelos viajantes. O lugar é tão mágico que qualquer escolha será uma boa opção, entende?

Convento e Igreja de Santo Antônio de Cairú

Cairú

Chapada Diamantina

Pratinha, Chapada Diamantina

Quer me tirar do sério? Então me fale que visitar as chapadas brasileiras “é caro demais”. Para a galera que adora defender esse argumento, eu te garanto que sai mais barato que sair com aquele(a) menino(a) que sempre te deixa em segundo plano ou passar um mês frequentando salão de beleza. Parece bobo, mas tudo na vida trata-se de prioridade!

Go, go, go girl

Do aeroporto de Salvador até a rodoviária eu utilizei o ônibus da Linha Integra Salvador, ao custo de R$ 5,50. Ele passa na saidinha do desembarque, onde ficam táxis e uber. Na rodoviária, você deverá pagar a tarifa de embarque, ao custo de R$ 2,00.

Percorri os 409km em direção à cidadezinha de Lençóis, um dos pontos para conhecer o Parque Nacional da Chapada Diamantina. A empresa Real Expresso faz o percurso, cobrando cerca de R$ 85,32/trecho.

Lençóis, Chapada Diamantina

Acreditem ou não, mas eu fiz um bate-e-volta até à Chapada. Isso mesmo, peguei apenas ônibus noturnos para economizar com a hospedagem e fiquei apenas um dia completo por lá. Se valeu à pena? Olha só algumas das fotos do que vi pelo caminho:

Pratinha, Chapada Diamantina

Pratinha, Chapada Diamantina

Morro do Pai Inácio, Chapada Diamantina

Gruta Lapa Doce, Chapada Diamantina

E aí, te convenci?

Então vamos às dicas: fechei meu dia de passeio com a empresa Chapada Adventure Daniel. Gente (é sério), eles são demais! Total atenção desde o pick up na rodoviária até o drop off. Além do mais, fizeram de tudo para que o dia fosse perfeito, nos levando duas vezes ao Morro do Pai Inácio para certificar que tentaríamos subi-lo em boas condições.

Lapa Doce, Chapada Diamantina

O tour escolhido foi o “Gruta Lapa Doce, Pratinha Azul e Morro do Pai Inácio”, pelo custo total de R$ 230,00. Existem diversas empresas que operam esse circuito, mas atenção, pois centenas delas vão para esse último ponto no início do dia, mas o mágico do local é realmente o pôr do sol.

A caminhada total foi de 4km. Já de carro foram 150km. Ou seja, bem tranquilo.

Comércio na Chapada Diamantina

O primeiro ponto visitado foi a Gruta da Lapa Doce, conhecida por ser uma das grutas mais bonitas em formação calcária, com 850 metros de travessia interna. O curioso é que as pedras parecem possuir diversas formas, tais como: animais, presépios de natal, rostos e formas humanas, etc. A natureza é mesmo mágica!

Por dentro da Gruta

Nosso grupo fez um minuto de silêncio, com todas as lanternas apagadas, para absorvermos o ambiente em total solidão. É curioso agora pensar como nos acostumamos ao barulho e a corriqueira vida dos tempos modernos e que, muitas vezes, negligenciamos a importância de minutos como esse.

Depois seguimos caminho em direção à Fazenda Pratinha, que possui um rio de águas cristalinas, aberto ao mergulho e à tirolesa (atividade paga por fora, R$ 20,00).

Nossa parada de almoço foi aqui e se você, assim como eu, é um apaixonado por fotos, segue a dica: deixe a galera almoçando e corra para a Gruta Azul enquanto está vazia. Te garanto que vai ser recompensador!

Já fazendo amizade pelo caminho

No caminho, passamos por diversas plantações de café arábica, um café típico da Etiópia.

Parque Nacional da Chapada Diamantina

Nossa última parada foi para ver o pôr do sol mais famoso: no morro do Pai Inácio.

A 1.120 metros de altitude, o morro do Pai Inácio descortina a mais bela vista panorâmica da Chapada. No topo, o cartão-postal da cidade de Palmeiras, a 22km do centro de Lençóis.

Morro do Pai Inácio

A subida é leve, cerca de 360 degraus, feita em aproximadamente 30 minutinhos. O tempo já estava fechando e pegamos uma baita chuva na descida, porém valeu cada esforço. O visual é incrível, impossível não se sentir em paz!

De volta à Lençóis

A Bahia foi uma grande e feliz surpresa. Adorei ter viajado para cá, tanto que repeti a dose.

O Brasil é realmente um país cheio de lugarzinhos que estão prontos para nos encantar, basta a gente nos dar a chance.

Bonfim, Salvador

Checklist

Seguro obrigatório para estrangeiros: Sim

Vacina obrigatória para estrangeiros: Não há obrigatoriedade de comprovação vacinal ou profilaxia para entrada no Brasil, no entanto, o Ministério da Saúde recomenda que os turistas internacionais atualizem a sua situação vacinal previamente à chegada ao país, conforme as orientações do calendário de vacinação do país de origem ou residência.

Documentação para estrangeiros: Passaporte e Visto (com exceções). Para mais informações, clique aqui.

Importância Global: Salvador possui um conjunto arquitetônico colonial barroco preservado e integrante do Patrimônio Histórico da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. A Igreja e Convento de São Francisco foram tombadas pelo Iphan e classificadas como uma das Sete Maravilhas de Origem Portuguesa no Mundo.

 

♥ Gostou? Então curte minhas fotos dessa viagem no Instagram! Quer mais dicas e ajuda com a sua viagem? Peça já o seu roteiro totalmente personalizado!

(Visited 281 times, 1 visits today)