Dublin: A Cidade Queridinha Dos Brasileiros

Dublin foi a cidade europeia em que mais encontrei brasileiros. A capital irlandesa recebe centenas de estudantes do mundo todo por ser um dos pontos prediletos ao intercâmbio. Aqui os nossos conterrâneos podem estudar e trabalhar ao mesmo tempo, exercendo atividades remuneradas. Bacana, não?

Dublin, Irlanda

Minha primeira impressão foi sobre o ar um tanto jovial da cidade e de sua animação à noite. Além do mais, aqui os transportes públicos são eficientes, os semáforos emitem sons que servem para avisar os deficientes visuais, os pubs estão por todos os cantos e para todos os gostos e bolsos e – o melhor -, Dublin possui uma cultura literária riquíssima.

Você precisa saber agora:

Moeda: Euro

Golpinhos/dia: EUR 30 (sem considerar hospedagem)

Se perder, vai ter que voltar: Visita à Trinity College

Sobraram Golpinhos? Vá ao Cliffs of Moher, na cidade de Galway (o passeio saindo de Dublin custa cerca de 40€ e pode ser facilmente contratado nas agências de turismo do centro da cidade).

Pelas ruas de Dublin

Muitos não sabem, mas Dublin foi fundada pelos nórdicos, ou seja, é uma cidade viking. Atualmente é considerada um centro cosmopolita que abrange o essencial mix de história, cultura e desenvolvimento econômico e educacional da Irlanda e da Europa como um todo.

St Patrick’s Cathedral

Pontos turísticos visitados:

Dublin, Irlanda

Dublin possui aquele bom e velho esquema dos ônibus Hop-on Hop-off, mas para ser sincera, a cidade é tão pequena que compensa economizar essa grana e conhecer os principais pontos à pé. Eu tive a sorte de turistar com meu irmão que havia morado na capital irlandesa meses atrás.

⦁ St. Stephen’s Green Park

St. Stephen’s Green Park

Situado no coração da região, este é um dos parques públicos mais charmosos e visitados. Fica localizado em um dos extremos da Grafton Street, outro ponto legal de ser explorado, por se tratar de uma das ruas comerciais mais importantes.

Uma manhã agradável no Parque

⦁ Castelo de Dublin

Fica situado na Dame Street, uns 10 minutinhos de caminhada desde o Parque. Aqui ficava a sede do governo britânico na Irlanda até 1922. Não é bem um castelo ostentoso como os da Escócia, por exemplo, mas vale à visita.

Castelo de Dublin

Horário de funcionamento:

– Segunda à sábado: 10:00 às 16:45
– Domingos e feriados: 12:00 às 16:45

Castelo de Dublin

⦁ Trinity College

Trinity College

Mais 5 minutinhos de caminhada você estará na famosa Trinity College. Fundada em 1592, esta é considerada a Universidade mais antiga e prestigiada da Irlanda. Alunos de todo o globo estudam aqui.

Trinity College por dentro

A visita à sua biblioteca – uma das mais importantes pelo rico acervo de obras antigas – pode e deve ser realizada. Durante o verão ela fica aberta à visitas de segunda à sábado, de 8:30 às 17:00 e no domingo das de 9:30 às 17:00. Já no inverno, o horário atrasa uma hora para abertura, com exceção do domingo, que funciona das 12:00 às 16:30. O custo varia de 10€ a 14€. E, ah! Existem também visitas guiadas… O site E-Dublin tem essa e diversas outras informações legais sobre Dublin.

⦁ Catedral St. Patrick’s

St. Patrick’s Cathedral

Ponto obrigatório! A Catedral é banhada por uma arquitetura gótica e considerada a mais longa Igreja medieval da Irlanda. A área é extensa e conta com um parque à céu aberto e uma área de lazer para as crianças

 ⦁ Dublinia

Para os amantes da história medieval, Dublinia é o point certo! Aqui você poderá ter uma experiência única do período Viking.

Dublinia

Localizada na Michaels Hill Street, ao lado da Christ Church – que falarei no tópico abaixo – Dublinia fica no Dublin 8. Aberta diariamente, por 9.50€ você pode contratar o tour pela história medieval que engloba cerca de 33 atrações. Esse é um passeio bem comum dos turistas, mas para ser sincera, não o fiz. Se você – ao contrário de mim -, se interessou, clique aqui para mais informações.

⦁ Christ Church

Christ Church

Logo ao lado você vai achar a incrível Catedral da Santíssima Trindade. Particularmente, achei bem mais exuberante que a St. Patrick. Foi construída em 1038 e atualmente contém diversos objetos e esculturas históricas datadas do final do século XVIII.

Christ Church

⦁ Molly Malone Statue

Voltando em direção a Dublin 2 (centro), mais especificamente na Suffolk Street, achamos a tradicional estátua de Molly Malone.

Molly Malone Statue

Reza a lenda irlandesa que uma linda e jovem mulher do século XVI trabalhava no comércio da região vendendo peixes, porém morreu de febre. Criaram então uma canção em seu nome que ficou popular em Dublin. Na música, seu admirador relata que apesar de sua trágica morte, a jovem e bela Molly Malone continua perambulando pelas ruas da cidade. É comum ver jovens e turistas apertarem os seios da estátua, como forma de bom agouro para a vida. Na dúvida, eu fiz o mesmo.

Pubs

Dublin é famosa pelas centenas de bares ao redor da cidade. Mas não se engane: beber na rua é proibido!

MJO’Neill’s, Dublin

De fato, o povo aqui bebe. E bebe muito! Te indico reservar uma tarde e/ou uma noite para sair pelas ruas e se perder um pouco entre os inúmeros pubs. A maioria não cobra pela entrada e de quebra você poderá encontrar excelentes músicos no interior dando seu show.

O’Neill’s, Dublin

É muito fácil distinguir um pub por aqui, pois geralmente os nomes estão ligados à sobrenomes tradicionais irlandeses. Ao caminhar, note as fachadas, os tons das vidraçarias e toda a decoração do local. É, sem dúvidas, um jogo de arte fantástico!

The Temple Bar, famoso pela trajetória do U2

A noite de Dublin:

Essa é uma parte interessante, bem interessante. A noite irlandesa me surpreendeu positivamente. Vejam bem, eu não sou uma turista que aprecia a night local. Não porque não goste de beber ou dançar até altas horas (muito pelo contrário), porém como passo o dia inteiro caminhando e descobrindo as atrações da cidade, costumo reservar as noites para boas horas de sono.

Ha’penny Bridge

Estava hospedada na casa da minha irmã, junto ao meu irmão. Entre uma cerveja e outra, conectamos a caixa de som ao bluetooth do celular e pronto: já estávamos pilhados para sair! Como era domingo, a escolhida da noite foi a Diceys, uma boate conhecida por ter um público latino.

De fato, encontrei mais brasileiros lá que pela zona sul carioca em dias de Carnaval. A noite se resumiu à risadas, cervejas a 2€ e uma ressaca monstruosa no dia seguinte. Porém, valeu muito à pena!

A entrada custou 5€, mas se você chegar até as 19h não paga nada. Lembrando que a noite irlandesa começa e termina cedo.

Na Diceys. Desculpem a foto, já estava bêbada.

Onde comi:

Como fiquei hospedada com minha irmã, comi muito pouco na rua. Todavia, dois lugares ficaram na memória e compartilho eles com vocês.

Dublin’s Best Fish & Chips

Fish&Chips é um prato tradicional da Irlanda (assim como em Londres, acredito). Na 166 Parnell Street, Dublin 1, você encontrará o Kingfisher Restaurant, o acessível e renomado restaurante da área. Nosso prato de peixe com batatas custou menos de vinte euros e estava delicioso. Esse local foi indicado por uma das amigas irlandesas do meu irmão e, como boa residente, não poderia ter acertado mais na indicação pelo custo-benefício do local.

Outro lugar bacana, mas um tanto fancy, é o The Market Bar. Aqui são servidos diversos Tapas e bebidas tipicamente irlandesas, mas já adianto que o preço não é amigável. Se sobrou uma graninha na sua trip, permita-se a um bom jantar aqui.

O famoso café irlandês

Dublin é uma cidade que pode ser facilmente explorada entre dois a três dias. Pode ser um ótimo lugar para quem opta em alugar um carro e seguir para o norte, rumo a Grã-Bretanha ou até mesmo para aqueles que decidem viajar no verão e conhecer o Condado de Kerry, no sudoeste do país.

Pelas ruas de Dublin

Como uma terceira dica, eu indicaria seguir viagem à Galway, uma cidadezinha à 200km da capital que abriga as Falésias Moher. Infelizmente, não tive tempo de visitá-las pois estava partindo para a Islândia.

Pelas ruas de Dublin

Não restam dúvidas sobre minha vontade de retornar à Irlanda. Ficaram diversos pontos a serem conhecidos, tanto do sul quanto do norte. Mas é aquela velha história de que precisamos sempre deixar algo que nos faça retornar à cidade visitada. E com Dublin não será diferente, nem que ela seja o ponto de partida para uma nova aventura.

Jardins do Castelo de Dublin

Checklist

Seguro obrigatório para brasileiros: Sim

Vacina obrigatória para brasileiros? Não

Imigração: Não tive problemas na entrada, fizeram apenas perguntas comuns sobre o ingressar no país. Eu estava com carta convite.

Documentação para brasileiros: Passaporte. Não há necessidade de visto caso a visita seja à turismo, por tempo estipulado.

Importância Global: Dublin é uma das cidades mais procuradas para intercâmbio em todo o mundo. Para muitos, a possibilidade de conciliar trabalho e estudo é um diferencial. Além do mais, aqui são encontradas as Escolas mais em conta, com programas de estudo à custos acessíveis e de duração variada, o que facilita a vida dos alunos e até mesmo de turistas que possuem pouco tempo de férias.

 

♥ Gostou? Então curte minhas fotos dessa viagem no Instagram! Quer mais dicas e ajuda com a sua viagem? Peça já o seu roteiro totalmente personalizado!

 

(Visited 951 times, 1 visits today)